Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos

ANÚNCIO

Uma equipe de paleontólogos descobriu células de esperma gigantes com 100 milhões de anos, que foram encontradas preservadas em âmbar.

Ampliação do entendimento da evolução do processo reprodutivo

Os cientistas acreditam que o espermatozoide fóssil pode ser o mais antigo de todos os tempos, saudando a descoberta como uma “oportunidade extremamente rara” de descobrir mais sobre como o processo reprodutivo evoluiu.

ANÚNCIO

As células espermáticas estavam em um ostracoda feminino preservado em âmbar, sugerindo que o minúsculo crustáceo havia se acasalado pouco antes de ser preso em uma gota de resina de árvore.

Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

Até agora, o mais antigo espermatozoide fossilizado conhecido foi encontrado em um casulo de verme de 50 milhões de anos da Antártica, o que significa que agora se acredita que seja o fóssil mais antigo em que as células espermáticas foram conclusivamente identificadas.

A descoberta de uma nova espécie

O espécime também forneceu informações sobre uma espécie de crustáceo até então desconhecida, que foi chamada de Myanmarcypris hui.

ANÚNCIO
Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

Acredita-se que ele tenha vivido nas águas costeiras e interiores do que hoje é Mianmar, cercado por florestas de árvores que produziam grandes quantidades de resina.

As descobertas da equipe foram publicadas no periódico de pesquisa Proceedings of the Royal Society B, onde eles explicaram que a compreensão da evolução desse espermatozoide gigante pode lançar luz sobre ‘instância antiga e avançada de especialização evolutiva’.

Crustáceo havia acasalado antes de ser envolvido por resina

Os pesquisadores analisaram os novos espécimes de ostracodes usando reconstruções de raios-X 3D assistidas por computador, que revelaram detalhes ‘surpreendentes’ da anatomia dos animais.

Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

Em um espécime feminino, eles descobriram ‘espermatozoide maduro’, com He Wang, da Academia Chinesa de Ciências de Nanjing, dizendo: “Esta fêmea deve ter acasalado pouco antes de ser envolvida na resina”.

Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

Leia também: Gorila ameaçado de extinção dá à luz em zoológico de Bristol

A Dra. Renate Matzke-Karasz, geobióloga da Ludwig-Maximilians-Universitaet (LMU) em Munique que liderou a equipe, disse: “A parte mais significativa de nossa história é que agora podemos mostrar que usar espermatozoides gigantes para a reprodução é algo que pode durar muito na história da Terra”.

Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

“Anteriormente, não tínhamos certeza se os animais que ‘mudaram’ para usar esses espermatozoides gigantes em um determinado ponto de sua história evolutiva estão condenados a se extinguir muito rapidamente”.

Estratégia evolutiva lucrativa

“Afinal, são custos enormes para os animais. É preciso produzir espermatozoides grandes, os órgãos reprodutores são muito maiores do que em outras espécies, ocupam muito espaço no animal e o acasalamento dura muito”.

“Esta é uma grande quantidade de energia biológica que deve ser alocada para a reprodução – então você pode pensar que isso não faz sentido do ponto de vista evolutivo”.

Cientistas descobrem células de esperma gigante com 100 milhões de anos
Foto:(reprodução/internet)

“Mas em ostracodes, parecia funcionar por mais de 100 milhões de anos”.

Ela acrescentou: “Do ponto de vista evolucionário, a reprodução sexuada com a ajuda de espermatozoides gigantes deve, portanto, ser uma estratégia totalmente lucrativa”.

Traduzido e adaptado por equipe Jovem Online
Fonte: Ladbible

ANÚNCIO