‘O ceifeiro’, um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano

Nicholas Irving é um dos soldados do exército mais mortífero de todos os tempos.

Centenas de alvos não confirmados

Um ex-membro do 3º Batalhão de Ranger (75º Regimento de Ranger), Irving, de Fort Meade, Maryland, se tornou um dos atiradores mais infames da história militar dos EUA depois de ter matado 33 pessoas em menos de quatro meses de seu posicionamento no Afeganistão.

A impressionante contagem de mortes o levou a se tornar conhecido como ‘The Reaper’, embora se acredite que seus alvos não confirmados podem chegar a três dígitos.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

De acordo com relatos, a arma escolhida por Irving foi um rifle Mk 11, uma versão modificada do rifle de precisão SR-25, que ele apelidou de Diana Suja.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

Confortável com a morte

Falando anteriormente sobre sua experiência, Irving lembrou de um tiroteio de 10 horas que terminou em retirada na província de Helmand no Afeganistão em 10 de julho de 2009.

Ele disse: “Fiquei confortável com a morte naquele lugar. Se eu morresse, não importava. Você simplesmente aceita a morte naquele ponto”.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

“Nós debatemos isso, como puxar uma granada e pular sobre ela e explodir. Você apenas tem que aceitar naquele ponto. Não era uma opção para nós sermos capturados ou algo assim”.

Seu histórico militar teve seu preço

“Eu prefiro matar meus caras e me matar antes de sermos capturados”.

Irving deixou o exército em março de 2010, após três viagens ao Iraque e uma viagem ao Afeganistão, passando um total de 19 meses em zonas de guerra.

Leia também: Super avião russo vira atração turística

Foi durante sua última viagem que ele disse ter matado 33 insurgentes como um franco-atirador de ação direta do Comando de Operações Especiais ao longo de cerca de 100 dias – embora sua afirmação não tenha sido verificada.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

Seu histórico militar, no entanto, teve seu preço sobre ele, que sofria de PSPT e alcoolismo.

Cabeça quente e muito álcool

Discutindo como ele ficou depois do exército, Irving disse: “Inferninho. Eu adorava combater. Adorava desdobrar. Eu tinha um temperamento quente”.

“Eu ainda era jovem – cerca de 24, 25 – e estava atrás de algum contrato”.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

“Eu estava acostumado com aquela pressa, tipo, se alguém falar merda com você, dê uma surra nesse cara. Demorei um pouco para sair dessa mentalidade. Eu me acalmava bebendo. Eu não estava mais vivendo do Tio Sam. Eu tinha que encontrar um emprego e coisas assim, e ainda queria manter o hábito de beber”.

De um quase sem-teto a um best-seller

“Aprendi muito rápido o quão rápido você pode gastar uma economia com álcool. Não foi uma transição suave”.

Ele acrescentou: “Foram alguns anos perdendo muitas coisas e quase sendo um veterano sem-teto”.

'O ceifeiro', um dos maiores atiradores de elite da história do exército norte americano
Foto:(reprodução/internet)

Mas com a publicação do livro de memórias de 2014 The Reaper: Autobiography of One of the Deadliest Special Ops Snipers, Irving mudou sua vida e se tornou um autor de best-sellers.

Traduzido e adaptado por equipe Jovem Online
Fonte: Ladbible