É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos

ANÚNCIO

Um túmulo de 2.500 anos contendo os restos mortais de um antigo casal de guerreiros foi desenterrado na Sibéria.

A mulher pode ter sido uma guerreira distinta

Acredita-se que o par esteja na casa dos 30 anos e foi enterrado com um bebê e uma ‘mulher idosa’ que foi encontrada ‘dobrada’ aos pés deles – pensa-se que a mulher poderia ter sido uma serva que foi levada para cuidar deles para a vida após a morte.

ANÚNCIO

O túmulo foi encontrado no sul da Sibéria e pode indicar evidências de uma guerreira amazona. Excepcionalmente, a mulher foi enterrada com as mesmas armas que o homem – que se acredita ser sua esposa.

É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

Ao contrário de outras mulheres guerreiras da Sibéria antiga, ela foi enterrada com uma machadinha de cabo longo ou machado de batalha e espada curta, não o arco e flechas habituais.

Arqueólogo comenta sobre as evidências

O Dr. Oleg Mitko, chefe de Arqueologia da Universidade Estadual de Novosibirsk, disse: “Temos um impressionante conjunto de armas”.

ANÚNCIO
É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

“Encontramos armas de combate dentro de uma sepultura feminina, o que não é tão típico”.

“A mulher tinha um machado de batalha … então ela fazia parte de uma camada de guerreiros”.

Artefatos de bronze autênticos

O pesquisador sênior Yuri Teterin disse: “O homem tinha dois machados e duas adagas de bronze. É um enterro brilhante porque há um armamento de bronze autêntico”.

É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

Leia também: Morrem aos 68 anos os gêmeos siameses mais velhos do mundo

O homem também tinha um espelho de bronze. A mulher mais velha – que provavelmente estava na casa dos 60 anos – tinha dois dentes quebrados e seus únicos pertences eram um pequeno vaso de cerâmica e um pente quebrado.

Os restos mortais do bebê foram espalhados ao redor da sepultura, provavelmente por roedores.

Estudiosos investigam causa da morte

Os arqueólogos também encontraram vasilhas de cerâmica maiores, que eles acreditam que estavam cheias de comida, com ossos indicando serem de carneiro e boi.

É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

Cientistas disseram que não há evidências de ferimentos de batalha que sugiram a causa da morte, mas a pesquisa ainda está sendo realizada.

Uma teoria é que todos eles morreram de algum tipo de infecção ao mesmo tempo, fazendo com que todos fossem enterrados juntos.

Relatos de gregos antigos

Os restos mortais das quatro pessoas são da cultura Tagar, parte da civilização cita, na república moderna de Khakassia, no sul da Sibéria.

O historiador grego Heródoto deixou um relato detalhado dos citas e de suas jovens guerreiras.

É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

Mas o médico Hipócrates acrescentou que uma jovem deixaria seu papel de lutadora depois de “tomar para si um marido”.

Violência era a solução

No entanto, neste caso, a mulher guerreira parece parte de uma unidade familiar.

O arqueólogo Anatoly Vybornov disse: “Tanto homens quanto mulheres participavam das hostilidades”.

É encontrado na Sibéria o esqueleto de um casal de guerreiros com 2.500 anos
Foto:(reprodução/internet)

“A violência era uma forma aceitável e legal de resolver os problemas na época”.

Traduzido e adaptado por equipe Jovem Online
Fonte: Ladbible

ANÚNCIO